06
jun

Para o democrata, o petista só “quer ter o bônus e não ter o ônus”

Presidente nacional do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto, cobrou, ontem, uma “posição clara” do governador Rui Costa (PT) sobre a reforma da Previdência. Para o democrata, o petista só “quer ter o bônus e não ter o ônus”. O texto, que foi encaminhado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso Nacional, já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e agora está na Comissão Especial.

Nos últimos dias, a imprensa nacional informou que o relator da reforma da Previdência na comissão, Samuel Moreira (PSDB-SP), e integrantes do governo Bolsonaro, estudam excluir a Bahia da proposta. A ideia é que estados governados pela oposição ao presidente e com situação fiscal mais sólida sejam retirados da reforma. Também seriam excluídos do texto Rio Grande do Norte, que é gerido por Fátima Bezerra (PT), e Pernambuco comandado por Paulo Câmara (PSB).

“É fundamental a gente saber exatamente qual é a posição do governador sobre a reforma da Previdência. (…) A gente precisa saber se ele é a favor da reforma ou contra a reforma, se os deputados do PT da Bahia vão votar a favor ou contra. O governador quer, neste caso, agir com muita sabedoria. Fica fazendo discurso aqui na Bahia contra a reforma e lá em Brasília fica dizendo, nos bastidores, que estados e municípios têm que ser incluídos. Está na hora do governador assumir uma posição clara, né? Governar é ter posição. Governar é assumir as consequências das decisões que toma. E está hora dele ser claro neste ponto”, afirmou Neto.

Para o prefeito, estados e municípios devem ficar fora do texto. No entendimento dele, os governadores precisam confirmar o texto nas Assembleias Legislativas, e os prefeitos nas Câmaras de Vereadores. “A minha posição é clara. Sou a favor da reforma da Previdência e contra a inclusão de estados e municípios, porque acho que cada estado e cada município deve discutir a sua própria legislação”, salientou.

Anteontem, no programa “Papo Correria”, que é transmitido nas redes sociais, Rui Costa disse o governo Bolsonaro tenta “chantagear” ao ameaçar tirar estados da reforma da Previdência. “A política, nos últimos meses no Brasil, deixou de ser a do diálogo, do entendimento e do consenso para tentar ser a da ameaça, do constrangimento e ou da chantagem. Este é pior método para atrair apoio para as mudanças que o Brasil precisa. Não vai conseguir declarações de apoio para esse ou aquele ponto ameaçando, constrangendo ou criando chantagem para quem quer que seja. Não me sinto motivado ou incentivado a entrar em um debate sobre qualquer tema sendo ameaçado, chantageado ou constrangido seja publicamente ou reservadamente. Não faz sentido este tipo de ameaça de que vai tirar os estados e municípios da reforma da Previdência. (…) Não me sinto mobilizado ao ficarem ameaçando se vai incluir ou retirar (a Bahia)”, declarou.

O governador tem sinalizado com apoio à reforma da Previdência desde que quatro pontos sejam retirados da proposta: as alterações no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e na aposentadoria rural, a intenção de desconstitucionalizar o texto e a criação da capitalização. Ontem, a imprensa nacional informou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse acreditar na possibilidade de um acordo para que o efeito da reforma da Previdência não seja imediato para estados e municípios, mas com um dispositivo para facilitar que governadores e prefeitos aprovem regras mais rígidas para aposentadorias de servidores estaduais e municipais.

Blog do Boka/ Tribuna da Bahia