19
dez

Foto: Reprodução

O projeto enviado pelo governador Rui Costa (PT) que altera gratificações aos professores foi aprovado na manhã de ontem na Assembleia Legislativa da Bahia

O projeto enviado pelo governador Rui Costa (PT) que altera gratificações aos professores foi aprovado na manhã de ontem na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). De acordo com o líder do governo, deputado Zé Neto (PT), foi acrescentada à matéria uma emenda do relator Rosemberg Pinto (PT) para manter os percentuais de bonificação de 20% para mestrado, 25% para doutorado e 10% para cursos de pós-graduação com carga horária superior a 270 horas. O líder da oposição, Luciano Ribeiro (DEM), disse que o estado com “pior educação do país agora desestimule o professor a se qualificar, conforme prevê a matéria”. Luciano criticou a postura dos deputados da base governista, que segundo ele demonstraram desconhecimento e indisposição para debaterem a questão.

Em discurso, o democrata disse que Rosemberg ignorou a emenda apresentada pela minoria. “Isso é um completo desrespeito a democracia. Os deputados do Governo aqui são tratados como se fossem delegados do governador”, ironizou, e disse que “a Casa virou uma Secretaria de Governo que só diz amém ao gestor”.

O coordenador-geral da APLB-Sindicado, Rui Oliveira, criticou a aprovação do projeto. “Nós tentamos conversar com os deputados e pressionamos para que o projeto fosse retirado da pauta ou discutido conosco antes, mas não compactuamos com nenhuma emenda ao projeto. Não houve nenhum tipo de acordo com a APLB-Sindicato. Nós não conseguimos acompanhar a votação. Fomos impedidos pela polícia de entrar! Devemos convocar a categoria para uma assembleia geral no início de fevereiro e é possível que o ano letivo inicie sem aulas. Somos educadores e exigimos respeito”, afirmou.

Já o governador Rui Costa voltou a defender ontem, antes da diplomação, as medidas.  “Os ajustes têm que ser feitos. Dezoito estados atrasaram salários e nesse momento seis não pagam salários, 13º salário. E a Bahia vai seguir pagando um dos três maiores salários para professores do Brasil. 51% dos professores na Bahia recebem mais de 8 mil reais”, justifica. “O que eu quero fazer é o que outros estados já fizeram, vinculando a gratificação ao crescimento dos indicadores de educação”, completa.

A sessão foi suspensa por conta da diplomação de Rui e dos deputados. Falta agora apenas a apreciação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto salarial de servidores públicos atrelado ao salário do governador e da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2018. A votação deve ocorrer hoje.

Blog do Boka/ Tribuna da Bahia