26
nov

Foto: Lula Marques / Agência PT

Na tentativa de estancar mais uma crise, que culminou na queda de Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo, o presidente Michel Temer afirmou em reunião com aliados nesta sexta-feira (25) que vai vetar qualquer proposto do Congresso para anistiar o caixa dois. De acordo com o jornal O Globo, a medida é uma forma de criar uma agenda positiva para o governo e representa um recuo de Temer em relação ao sinalizado a interlocutores menos de 24 horas antes, quando dizia que o texto aprovado pelos parlamentares seria sancionado integralmente, independentemente de estabelecer ou não anistia a crimes. Em vídeo postado nas redes sociais, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), líder do partido na Câmara, afirmou que Temer o autorizou a anunciar para população que vai barrar a proposta de anistia. “Caso o Congresso Nacional venha a aprovar qualquer tipo de anistia, não só o caixa dois, mas qualquer outro crime, o presidente Temer vetará imediatamente”, disse Rosso. Ainda segundo a publicação, a Procuradoria-Geral da República vai chamar o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para explicar a suposta participação dele na articulação para pressionar o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a liberar a obra do Edifício La Vue, em Salvador, onde Geddel tinha contrato de compra e venda de apartamento. Logo depois, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai estudar se pede ao Supremo Tribunal Federal abertura de inquérito para investigar Padilha. Caberá também a Janot analisar se há indícios suficientes para estender a Temer uma eventual investigação. Em depoimento à Polícia Federal, Calero acusou Temer, Padilha e Geddel de pressioná-lo a contrariar parecer técnico do Iphan e autorizar a retomada das obras do La Vue, ou a transferir a decisão sobre a questão do patrimônio histórico para a Advocacia-Geral da União (AGU).

Fonte Bahia Noticias.