24
jan

Desde o início do projeto, que é o primeiro negócio 100% social da Ambev, a empresa ajuda a levar água para 35 mil pessoas que sofrem com a seca em comunidades rurais do Ceará, Piauí, Bahia, Paraíba e Pernambuco

Foto: Divulgação Ambev

A água mineral AMA acaba de atingir a marca de R$ 3 milhões em lucro de vendas em pouco mais de um ano e meio de existência. Desenvolvida pela Cervejaria Ambev (dona das marcas Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia, dentre outras), AMA é um negócio social que reverte todo seu lucro para apoiar e desenvolver projetos que levam água de qualidade para famílias que vivem no semiárido brasileiro, região que mais sofre com a seca no país.

“Imagine abrir a torneira de casa e não ter água para escovar os dentes, tomar banho ou mesmo beber. E para conseguir água potável será necessário caminhar por seis horas. Essa é realidade de muitos no semiárido brasileiro e não podíamos ficar de braços cruzados diante dessa realidade. Com a AMA temos um desafio enorme pela frente, mas sabemos que um importante passo já foi dado para mudar a realidade dessas pessoas. Para continuar precisamos que mais consumidores se envolvam e entendam que quando você escolhe AMA, ajuda a levar água para quem mais precisa”, explica Carla Crippa, diretora de sustentabilidade da Cervejaria Ambev.

Atualmente são 29 projetos no Ceará, Piauí, Bahia, Paraíba e Pernambuco, realizados em parceria com a Fundação Avina, organização não-governamental focada em desenvolvimento sustentável. Em cada comunidade é feito um diagnóstico para entender a causa principal do problema e como ajudar.

As soluções variam de acordo com cada caso e incluem a perfuração de poços profundos para captação de água, placas solares para baratear o custo de distribuição e também garantir a sustentabilidade ambiental, revitalização de sistemas de distribuição que estavam inoperantes, construção de cisternas em escolas, juntamente com sistemas de reuso de águas cinzas, manejo de hortas e capacitações em meio-ambiente, recursos hídricos e manejo de hortas e sistemas de reuso. As soluções são implementadas com o envolvimento dos parceiros locais e das comunidades, visando à sustentabilidade do sistema e também à conscientização da população quanto ao uso e aos cuidados com a água.

“São 35 mil pessoas contempladas por meio de 29 projetos, distribuídos em todos os nove estados do semiárido. Acreditamos que acesso a água é muito mais do que ter água para beber. O acesso a água tem o potencial de transformar a saúde, a educação, as relações sociais e a situação econômica dessas famílias”, completa Carla.

Blog do Boka/ Tribuna da Bahia