25
mar

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Em pronunciamento, Bolsonaro pediu ‘volta à normalidade’ em meio à pandemia do coronavírus, fim do ‘confinamento em massa’ e disse que meios de comunicação espalharam ‘pavor’

O presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), divulgou uma nota na noite desta terça-feira (24) na qual afirmou que a fala do presidente Jair Bolsonaro em pronunciamento na TV foi “grave” e que o país precisa de uma “liderança séria”.

Publicidade

Na noite desta terça, Bolsonaro fez um pronunciamento em rede nacional no qual pediu “volta à normalidade” em meio à pandemia do novo coronavírus e o fim do “confinamento em massa”. Afirmou também que meios de comunicação espalharam “pavor” na população.

“Neste momento grave, o país precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população. Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República hoje, em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção ao Covid-19”, afirmou Alcolumbre.

Para o presidente do Congresso, o momento não é de “ataque” à imprensa e aos gestores públicos. Alcolumbre ressaltou ainda que é preciso “união, serenidade e equilíbrio”.

“A nação espera do líder do Executivo, mais do que nunca, transparência, seriedade e responsabilidade. O Congresso continuará atuante e atento para colaborar no que for necessário para a superação desta crise”, acrescentou.

Enquanto Bolsonaro fazia o pronunciamento, houve panelaço em cidades de alguns estados, entre os quais São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Ceará e Alagoas.

Leia a nota do presidente do Senado:

“Neste momento grave, o País precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República hoje, em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção ao Covid-19. Posição que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS).

Reafirmamos e insistimos: não é momento de ataque à imprensa e a outros gestores públicos. É momento de união, de serenidade e equilíbrio, de ouvir os técnicos e profissionais da área para que sejam adotadas as precauções e cautelas necessárias para o controle da situação, antes que seja tarde demais.

A Nação espera do líder do Executivo, mais do que nunca, transparência, seriedade e responsabilidade. O Congresso continuará atuante e atento para colaborar no que for necessário para a superação desta crise.” Informações Tribuna da Bahia