16
nov

Os correntistas enfrentam, todos os anos, greves no setor bancário, que duram até um mês.

Elas ainda são um transtorno para a maioria, mas a cada paralisação um número crescente percebe que pode continuar tocando a vida, normalmente, sem a necessidade de ir a uma agência bancária.

Incentivadas pelos sindicatos e sem resultados práticos relevantes, as greves têm empurrado os correntistas para a tecnologia.

O número de “downloads” de aplicativos que permitem acessar as contas correntes pelo celular cresceu mais de 80% durante o último movimento paredista.

Hoje, até o depósito de cheques já pode ser feito pelo celular.

Na prática, portanto, as greves tem se revelado um tiro em cada pé dos bancários.

Os bancos também estão se movimentando, no sentido de ampliar as soluções digitais fornecidas a seus clientes.

O Banco do Brasil, por exemplo, segundo informações do Estadão Conteúdo, lança no dia 19 a conta digital, a Conta Fácil BB, totalmente movimentada pelo celular, para clientes com renda mensal de até R$ 4 mil mensais.

Nessa sexta-feira (11/11) o BB inicia a segunda fase do teste piloto da solução digital. A primeira foi realizada com os cliente alta renda do banco, mas com foco no relacionamento, e atraiu 1,3 milhão de clientes (isso equivale a quase metade da população de Salvador)

“Nossa expectativa é ter 50% das novas contas no formato digital a partir de 2017”, afirmou Raul Moreira, vice-presidente de Negócios de Varejo. Ou seja, o BB estima ter 1,8 milhão de contas digitais das 3,6 milhões de clientes novos que ingressam anualmente do banco, explica.

O serviço é focado em operações de movimentação e não inclui opções de investimento. Os clientes podem movimentar mensalmente até R$ 5 mil e têm direito a um cartão de débito Elo.

A conta pode ser gratuita ou com uma tarifa mensal de R$ 9,90 por mês, permitindo número maior de saques e extratos e a conversão da tarifa em bônus para celulares pré-pagos.

Moreira explicou ao Estadão Conteúdo que os saques digitais são programados pelo celular e concretizados por meio da aproximação de aparelho do terminal de saque.

O banco também está criando escritório de negócios, onde ficarão concentradas as centrais de relacionamento digital com clientes. Já abriu 12 escritórios e deve fechar 2017 com 202, de acordo com Moreira.

O BB entende que a conta digital vai reduzir o custo operacional do banco, ao melhorar o fluxo dos serviços das agências físicas.

Moreira não diz isso, mas há outra consequência prática, oriunda da conta digital: ela não exige a presença de bancários, que fizeram da greve um evento anual.

Fonte Tribuna da Bahia.