18
abr
Foto: Reprodução / Agência Senado

O senador baiano Angelo Coronel (PSD) espera pautar o projeto de sua autoria que pretende acabar com a obrigatoriedade de um número mínimo de candidaturas por gênero na próxima quarta-feira (23), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

O texto, que causou revés na base do governador Rui Costa (PT) (lembre aqui aqui), recebeu voto contrário do relator Fabiano Contarato (Rede) (veja aqui). “É uma matéria muito delicada. Não pode só uma comissão definir os destinos do projeto. Vou pedir para que a questão seja discutida no plenário com os senadores”, falou Coronel.

Em entrevista ao Bahia Notícias, o senador baiano voltou a defender a sua proposta. “Não sou contra mulheres na política. Sou contra a imposição da entrada de mulheres por força de cotas”, argumentou. Para Coronel a obrigatoriedade de registrar uma chapa com 30% de candidaturas mínimas de um determinado gênero pode causar distorções e favorecer as chamadas candidaturas laranja.

“Não posso aceitar que um partido não consiga registrar uma chapa por não alcançar os 30% da cota. Precisamos pensar na realidade dos municípios e da política”, arguiu Coronel.

Blog do Boka/ Bahia Notícias