24
jan

Foto: STF

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, urgência na avaliação da delação da Odebrecht na Operação Lava-Jato. De acordo com jornal Folha de S. Paulo, o assunto foi discutido entre os dois em reunião na segunda-feira (23) e pode contribuir para acelerar a homologação das delações dos executivos da empresa. A ministra, porém, ainda não tomou uma decisão. Ainda segundo a publicação, com o pedido de Janot, Cármen Lúcia, que é plantonista do STF durante o recesso do Judiciário, pode assumir o caso, já que a delação passa a ser um assunto urgente. O plantonista só pode analisar questões urgentes durante o período de recesso. A homologação do acordo durante o recesso, entretanto, divide opiniões entre ministros do STF. O entendimento é de que o caso não é necessariamente de urgência, já que a Corte pode escolher um novo relator em breve. Ele trataria da questão no início de fevereiro. Entretanto, após o pedido de Janot, o assunto será discutido internamente e a presidente do Supremo poderia ter o embasamento para tomar a decisão de homologar as delações da construtora. Aqueles que defendem a homologação ainda no recesso argumentam que ela evitaria um atraso maior no acordo de delação. Previsões apontam que Teori homologaria os acordos no início do próximo mês.

Fonte: Bahia Noticias