14
ago

O  PT chegou a pedir autorização para Lula ir ao encontro, mas a Justiça negou

Candidato ao Senado, o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), chamou, ontem, de “interdição arbitrária” a ausência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no debate que aconteceu na última quinta-feira, na TV Bandeirantes. O ex-chefe do Palácio do Planalto está preso na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, após ser condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro. O PT chegou a pedir autorização para Lula ir ao encontro, mas a Justiça negou.

“Muito ruim para o Brasil e para a democracia [a não participar do ex-presidente na discussão], porque o debate acaba não ficando completo. Ele é o representante de um conjunto de ideias fundamentais. Ele galvaniza mais da metade da população e não está representado. […] No mínimo, deveriam ter respeitado, como antigamente, e colocado a cadeira vazia. […] Se ele porventura não pudesse ou quisesse ir ao debate, seguramente iam colocar a cadeira vazia como uma acusação de que ele se negou ao debate. Agora, quando o proíbe não colocam uma cadeira para registrar que ele não está ali não é porque não quer, mas porque há uma interdição arbitrária”, afirmou, durante a entrega do programa de governo e registro da candidatura do candidato à reeleição Rui Costa (PT), no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), no Centro Administrativo da Bahia. (RDS) (Informações Tribuna da Bahia)