22
nov

A Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de Barreiras- Sematur, apresentou nesta quarta-feira (21), na reunião do Conselho Gestor da Área de Proteção Ambiental (APA) da Bacia do Rio de Janeiro, uma proposta para criação de duas Unidades Municipais de Conservação de Proteção Integral (UCs). As unidades em pauta ficam localizadas dentro da poligonal da APA da Bacia do Rio De Janeiro, que abrigam as Cachoeiras do Acaba Vida e do Redondo.

O conselho gestor da APA da Bacia do Rio de Janeiro é um fórum qualificado para tratar das questões ambientais, sociais, econômicas, culturais e políticas da área ambiental dentro da unidade de conservação, constituídas por representantes dos órgãos públicos, sociedade civil,setor produtivo e pela população residente, assegurando sempre que possível, a participação paritária desses segmentos, e sendo presidido pelo órgão gestor da APA.

Conforme a Política Estadual do Meio Ambiente, promulgada pela Lei Estadual nº 10.431/2006, quando existir um conjunto de unidades de conservação sobrepostas a outras áreas protegidas, públicas ou privadas, constituindo um mosaico, a gestão do conjunto deverá ser feita de forma integrada e participativa, considerando-se os seus distintos objetivos de conservação.

Foi neste sentido, que a proposta foi construída pela SEMATUR em conjunto com a Diretoria de Unidade de Conservação do Instituto de Meio Ambiente e Recursos, que conforme as informações disponíveis sobre a área de interesse, apontaram nos estudos um claro potencial para criação de Unidades de Conservação de Proteção Integral, sendo a categoria de Monumento Natural Municipal para as Cachoeiras do Acaba Vida e um Parque Natural Municipal para Cachoeira do Redondo.

O pré-projeto foi apresentado por Valmir Dâmaso, técnico da SEMATUR, responsável pela coordenação dos trabalhos, onde destacou que o pré-projeto atende à Lei Federal 9.985 de 18 de julho de 2000, que dispõem sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Após a apreciação e aprovação pelo conselho gestor, o projeto seguirá os demais trâmites legais baseados na realização de estudos técnicos até a consulta pública capazes de identificar a localização, a dimensão e os limites mais adequados para a unidade.

“A criação dessas unidades de conservação, além de preservar os ecossistemas da Cachoeira do Acaba Vida e Cachoeira do Redondo, propiciará condições para pesquisa científica e atividades de educação ambiental e de lazer”, explicou o secretário de meio ambiente,Demósthenes Júnior.

As unidades de conservação também visam construir um novo modelo econômico para a região através do turismo ecológico e de aventuras, permitindo às comunidades envolvidas o desenvolvimento social e econômico através da inserção no processo turístico e pela busca de novas alternativas, gerando assim, emprego e renda nos diversos setores da economia e promovendo o desenvolvimento sustentável na região.

Informações Dircom/PMB