25
nov

Wilton Duarte - Pesquisadora Nilzemary Lima (de camisa verde, à direita) apresenta sistema agrossilvipastoril

Um grupo de técnicos, produtores rurais, estudantes e pesquisadores participou, nesta quinta-feira (24), de Dia de Campo sobre tecnologias de segurança alimentar animal para convivência com a seca, na Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral-CE). Os participantes conheceram alternativas desenvolvidas pela empresa para manejo de vegetação, produção em sistemas agroflorestais, planejamento de recursos forrageiros, além de detalhes sobre o futuro Serviço de Assessoria Nutricional (Assessonutri) para produtores rurais, que deverá funcionar a partir de 2017.
Nas três primeiras estações, foram soluções tecnológicas como o manejo para enriquecimento da caatinga para fins pastoris, o sistema de produção agrossilvipastoril e a orçamentação forrageira. Na primeira, o analista Éden Fernandes, da Área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Caprinos e Ovinos, abordou técnicas de manejo que favorecem a preservação do bioma Caatinga e alternativas para evitar a degradação, em convivência com o pasto nativo.
Na sequência, os pesquisadores Nilzemary Lima e Fernando Guedes destacaram o sistema agrossilvipastoril, que permite combinar atividades agropecuárias com exploração sustentável da vegetação nativa, como uma alternativa para as práticas de agricultura itinerante (com desmatamento e queimadas), superpastejo (quantidade de animais acima do suportável em uma mesma área de pasto) e exploração indiscriminada da madeira. Nilzemary também abordou técnicas de enriquecimento da Caatinga com leguminosas, como leucena e gliricídea, e gramíneas, como capim buffel, gramão, urocloa e andropogon.
A pesquisadora Ana Clara Cavalcante apresentou a técnica da Orçamentação Forrageira, que pode ajudar produtores rurais a planejarem o uso dos recursos para alimentação dos rebanhos em suas propriedades e, assim, terem maior eficiência de produção. O modelo proposto utiliza tabela padronizada, que ajuda o produtor rural a estimar sua quantidade e fontes de forragem, suas necessidades e, assim, facilitar a tomada de decisões como a preparação das reservas de alimento ou os momentos mais adequados para comercialização ou descarte de animais.
O Serviço de Assessoria Nutricional (Assessonutri) foi a última estação visitada. O pesquisador Diego Galvani mostrou as vantagens da técnica que permite estimar a composição da dieta dos animais e elaborar recomendações nutricionais a partir da análise de fezes de caprinos e ovinos. Inicialmente, o Serviço funcionará por meio de uma unidade móvel que prestará assistência a produtores rurais no Sertão dos Inhamuns, disponibilizando boletins de recomendações nutricionais a partir do laudo de análise das fezes e dos recursos forrageiros que o criador tiver em sua propriedade. Futuramente, o Serviço será disponibilizado em plataforma na Internet, ampliando o acesso a todas as regiões do Brasil.
Para os participantes, o potencial das tecnologias para uma realidade de produção de animais no semiárido foi um ponto de destaque. “Essas tecnologias são promissoras para o futuro da pecuária no Nordeste”, avaliou Pedro Machado, agente rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce) em Pacujá (CE). “Informações como essas podem nos dar um passo a passo na atividade, para que caprinos e ovinos sejam ferramentas de negócio”, afirmou Vitor Alves, técnico da Ematerce em Mucambo (CE). “Foi um evento riquíssimo, especialmente por vermos o sistema agroflorestal e esse serviço nutricional”, opinou o agricultor João Paulo Vieira, de Tamboril (CE).

O Dia de Campo foi realizado em parceria da Embrapa com a Secretaria Especial de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar do Governo Federal.
Workshop
O dia de campo foi antecedido por um Workshop sobre soluções tecnológicas para segurança alimentar animal no semiárido na Embrapa Caprinos e Ovinos, nos dias 22 e 23. O workshop reuniu, além da equipe da Unidade, pesquisadores da Embrapa Meio-Norte, representantes de instituições de ensino (UFC, UVA, IFPI, IFCE), assistência técnica (Emplanta), produtores, organizações não-governamentais e outras instituições (Projeto Paulo Freire), ligadas à temática da produção animal na região. No evento, foram elencadas tecnologias da Embrapa que poderão ser utilizadas na melhoria da saúde (controle de verminose) e alimentação dos rebanhos (melhoria de pastagens e conservação de forragem).
“É importante conhecer as tecnologias disponíveis e garantir a segurança alimentar dos rebanhos para manter a produtividade e, consequentemente, melhorar as condições de vida do produtor da região semiárida”, explica a pesquisadora Ana Clara Cavalcante. Já o engenheiro agrônomo e produtor de ovinos, Cândido Araújo, comentou que a participação em eventos dessa natureza é de fundamental importância para estimular a troca de experiências e conhecimentos com os diversos parceiros da área.
Fonte Embrapa