12
dez

Foto: Reprodução

As igrejas da capital dedicadas à religiosa Santa Luzia estão comemorando desde o dia 10 de dezembro, com o tríduo preparatório que acontece até esta quarta-feira (12)

Considerada pelos fiéis como protetora dos olhos, Santa Luzia será celebrada pelos baianos em festa realizada nessa quinta-feira, 13 de dezembro, data dedicada a ela. As igrejas da capital dedicadas à religiosa estão comemorando desde o dia 10 de dezembro, com o tríduo preparatório que acontece até esta quarta-feira (12).

Este ano, na Paróquia Nossa Senhora do Pilar e Santa Luz, a celebração está sendo realizada sob o tema “Santa Luzia e os leigos”. A igreja fica localizada na Praça do Pilar, no bairro do Comércio, onde há uma gruta que mina água desde o século XVII, quando o templo ainda era uma pequena capela.

“A água que corre dia e noite dessa fonte que nunca secou é procurada pelos devotos da santa, que lavam os olhos, ou levam numa garrafinha para casa”, diz a Arquidiocese de São Salvador da Bahia.

No dia dedicado a Santa Luzia, os devotos participarão de missas às 6h, 8h, 15h, e 17h. O ponto alto da festa será a Missa Solene presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Salvador, Dom Marco Eugênio Galrão Leite de Almeida, às 10h, seguida de procissão com a imagem da santa pelas principais ruas do Comércio, retornando até a Matriz.

Em agradecimento pelos festejos e também em memória das almas dos devotos falecidos, no dia 14 de dezembro será celebrada Missa às 9h, também na Matriz.

Também serão realizadas ações comemorativas na Capela Santa Luzia, da Paróquia Deus Menino, no Engenho Velho de Brotas. Por lá, além do tríduo, sempre às 19h, haverá Missa Solene no dia 13, às 8h, seguida do café da manhã na sede da Associação Comunitária Santa Luzia (ACSL). Às 18h do mesmo dia será iniciada uma procissão que prcorrerar as principais ruas do bairro.

Você conhece a história de Santa Luzia?

Nascida em uma família rica e cristã, na cidade de Siracusa – Itália, no ano de 283, Luzia era considerada como uma das jovens mais belas da região. Aos cinco anos perdeu o pai e cresceu sob os cuidados da mãe, que sofria de graves hemorragias.

Certo dia, ao peregrinar na cidade de Catânia, Luzia e a mãe acompanharam o Evangelho pregado durante uma missa, o qual falava sobre a cura da mulher que padecia de hemorragias. A jovem, então, pediu ao Senhor que a mãe ficasse curada e foi rezar junto à imagem de Santa Águeda. No mesmo instante, a cura aconteceu.

Ao chegarem a casa onde elas moravam começaram a distribuir todos os bens aos pobres. Percebendo que Luzia e a mãe eram cristãs, um jovem que vivia no local denunciou-as ao prefeito de Siracusa, que as enviou ao Imperador Diocleciano.

Como Luzia se mostrou firme diante da fé que carregava, acabou sofrendo inúmeras crueldades. Vendo que não seria possível convertê-la, Diocleciano mandou jogá-la numa casa de prostituição, mas ninguém conseguia tirar Luzia do local onde ela se encontrava, seus pés ficaram firmes no chão. Tentaram queimá-la viva, mas as chamas nada fizeram contra ela.

Por fim, os soldados arrancaram-lhe os olhos e os entregou em um prato à jovem. No mesmo instante, na face de Luzia, brotaram outros olhos. Vendo que nada a fazia renegar a fé em Jesus Cristo. Mas mandaram degolar a menina em  13 de dezembro de 304. A partir deste dia teve início a devoção à Santa Luzia, primeiro na Itália e depois por toda a Europa. Atualmente ela é conhecida como a “Santa da Visão”.

Fonte Tribuna da Bahia

Publicidade