20
jan
STF, PGR, OAB e Moro se pronunciam sobre morte de Zavaski

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi um dos primeiros a se pronunciar sobre a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, nesta quinta-feira (19). O relator dos processos da Operação Lava Jato estava em uma aeronave que caiu no litoral de Paraty, no Rio de Janeiro (veja aqui). Em nota publicada no site da PGR, Janot lamentou o falecimento de Zavaski e disse que ele honrou o papel de magistrado, ao atuar de forma ética, isenta, discreta e extremamente técnica durante toda sua carreira. “Na relatoria da Operação Lava Jato no STF, o ministro não hesitou em adotar medidas inéditas para a Suprema Corte, a pedido do Ministério Público Federal. É inegável e inquestionável a grande contribuição que o ministro Teori Zavascki deu ao Estado Democrático de Direito Brasileiro a partir de sua atuação como magistrado”, afirmou. A presidente do STF, Cármen Lúcia, disse que a consternação tomou conta do Supremo “com a notícia da morte de um dos mais brilhantes juízes que ajudaram a construir a história deste Tribunal e do país”. “O ministro Teori Zavaski representa um dos pontos altos na história da nossa Justiça. O seu trabalho permanecerá para sempre, e a sua presença e o seu exemplo ficarão como um rumo do qual não nos desviaremos, cientes de que as pessoas morrem, suas obras e seus exemplos, não. A morte põe fim a uma Vida, mas não acabam a amizade, a convivência nobre, gentil e fecunda do amigo dos amigos. Nem a generosidade com todos que caracterizava o ministro Teori Zavaski”, disse a líder da Corte. “O sentimento de dor e de saudade servirá de permanente lembrança para os compromissos que marcaram a vida do ministro, uma responsabilidade nossa, a fim de nos perseverarmos, também em sua homenagem, na mesma trilha”, completou. “A diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também emitiu nota de pesar sobre o caso. O grupo manifestou solidariedade às famílias e amigos das vítimas. “É com profundo pesar e consternação que a Ordem dos Advogados do Brasil recebeu a notícia da morte do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. Teori teve uma trajetória profissional brilhante como advogado. Na magistratura, destacou-se por uma atuação firme, de irrestrito respeito à Constituição. Que a atuação discreta e serena do ministro Teori sirva de exemplo para aqueles que ocupam cargos públicos de tamanha relevância em nossa sociedade”, disse o órgão na nota. Responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância, o juiz federal Sérgio Moro se disse “perplexo” com a notícia. “Minhas condolências à família. O Ministro Teori Zavascki foi um grande magistrado e um herói brasileiro, exemplo para todos os juízes, promotores e advogados deste país. Sem ele, não teria havido Operação Lava Jato. Espero que seu legado de serenidade, seriedade e firmeza na aplicação da lei, independentemente dos interesses envolvidos, ainda que poderosos, não seja esquecido”, disse Moro. O tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) também emitiu nota sobre o acidente. “Em suas funções, como jurista, professor de direito e pesquisador, tendo concluído doutorado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Teori Zavascki sempre mostrou-se firme. Em suas decisões no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki trabalhava no sentido de combater efeitos de injustiças pelas quais os brasileiros são indevidamente penalizados. Apresentamos essa moção de pesar que reflete os sentimentos da comunidade do Judiciário baiano, entre magistrados e servidores, uma vez que a atuação exemplar de Teori Zavascki em sua atividade  profissional servia de referência para todos”, disse o órgão.
Fonte: Bahia Noticias